quem somos

instagram

próximos eventos

Sem categoria

Mãos que tecem o mundo: a moda e o artesanal

unnamed

Sentado, Eduardo Laurino, em pé, Brunno Almeida Maia.

 

Pra quem veio no Encontro de Moda Sustentável que ocorreu aqui no LAB no dia 6 de abril, com certeza deve-se lembrar do discurso incrível do Brunno Almeida Maia sobre “Mãos que tecem o mundo”. O Brunno, que é pesquisador em Filosofia pela UNIFESP e é também professor no SENAC LAPA FAUSTOLO, trouxe um discurso lindo e reflexivo sobre o assunto, abordando sobre o trabalho manual com significado, falando brevemente também sobre a moda que está cada vez mais fast e seu movimento que vai na direção contrária, o slow fashion.

E aí, o pedido foi tão grande que adivinhem só quem está de volta? Isso mesmo, o Brunno resolveu transformar esse tema incrível num curso de 5 dias com carga horária de 20 horas. Mas dessa vez, ele não está sozinho. O chapeleiro Eduardo Laurino (FASM – Faculdade Santa Marcelina), também estará presente no curso. O Brunno com a parte teórica, e o Eduardo com a parte prática, fazendo todo mundo colocar a mão na massa. Assim, o curso será dividido em duas disciplinas: História do Pensamento e Filosofia de Moda (Brunno Almeida Maia) e Laboratório de Criação (Eduardo Laurino).

O curso interdisciplinar investiga a relação entre a Moda e o Artesanal, nos contextos dos séculos XIV ao XXI, a partir de abordagem teórica e prática. Os estudantes terão a oportunidade de conhecer e vivenciar parte do processo criativo do chapeleiro Eduardo Laurino, que assinou coleções de acessórios de cabeça para óperas do Theatro Municipal, e, recentemente para o espetáculo em “Garricha”, dirigido por Bob Wilson, além de números desfiles para a SPFW e Fashion Rio. As inscrições começaram ontem, no dia 19 de junho (segunda-feira), e podem ser efetuadas pelo e-mail do Brunno.
A atividade será de caráter processual e prático, e tem como objetivo o exercício da apuração do olhar por meio da ampliação do repertório de pesquisa, a partir das discussões teóricas elaboradas na disciplina História do Pensamento e Filosofia de Moda, para, em seguida, na disciplina Laboratório de Criação, sob a orientação do docente Eduardo Laurino, criar objetos artesanais tridimensionais orgânicos, inspirados nos eixos temáticos, nos textos, escritores, pensadores e nas discussões surgidas ao longo do processo de investigação, e de pesquisa teórica e prática.

 

laurino-e1305330994178

Chapéu criado pelo Eduardo Laurino.

 

A partir da conceituação Moda Aristocrática ou Artesanal, elaborada pelo filósofo francês Gilles Lipovetsky n´O Império do Efêmero – a moda e seu destino nas sociedades modernas, o curso analisa a transformação na Moda ocorrida no auge da Modernidade do século XIX, com a mudança para o modo de produção capitalista, o início da alta-costura com Charles Frederick Worth, e a posterior fase de industrialização, até o prêt-à-porter e o recente fenômeno do fast e do slow fashion.
Com um vasto guarda-roupa de escritores, filósofos, sociólogos e historiadores como Walter Benjamin, Peter Stallybrass, Richard Sennet, Hannah Arendt, Norbert Elias, Platão, Marina Colasanti, Marcel Proust, e poetas como Ovídio e Pablo Neruda, a atividade propõe o repensar na atualidade dos conceitos de Moda artesanal e autoral, o trabalho dos artífices nos ateliers d´arts franceses, e a questão do luxo como specialité e autenticidade (aura), ligado a tradição artesanal.
Por último, a investigação, que parte da Moda como medida do tempo e figuração da sensibilidade estética de uma época, recai para a perspectiva ético-política. Ao pensar sobre a perda do sentido no trabalho alienado e no consumismo nas sociedades contemporâneas, a atividade propõe a reflexão sobre “o que estamos fazendo de nós mesmos”, partindo do conceito de etopoiética; aquele que possui saber-fazer manual, sendo autor da totalidade da sua obra, detém um saber-viver: uma ética-estética da existência, na qual a obra que se coloca no mundo transforma a realidade existente, como a interioridade daquele que a produz.

Pra quem é esse curso?

Estudantes de Moda, artes em geral e ciências humanas, profissionais da área e interessados, a partir de 16 anos.

Quando?

7 a 11 de agosto – das 14h às 17h.

Onde?

Aqui no LAB Fashion

Rua Dona Antônia de Queirós, nº 474 – sala 16

Investimento?

R$ 300,00*.

*Obs: Sujeito ao fechamento da turma. Mínimo 15 inscritos

Período de inscrições:

19/06 a 04/08

Se você se interessou e quer participar ou possui alguma dúvida sobre o curso, pode contatar o Brunno pelo e-mail brunnoalmeidamaia@gmail.com.

 

Sem categoria

Youth Fashion Summit 2017 – elaborando a primeira resolução da ONU em Moda!

From video YFS 2Foto de capa: Apresentação ao público durante o Copenhagen Fashion Summit 2017. Fonte: Vídeo CFS 17 Livestream

 

De 9 a 10 de maio aconteceu o Youth Fashion Summit (YFS), programa liderado pela Global Fashion Agenda (GFA) e Copenhagen School of Design and Technology (KEA) que reuniu a nova geração de estudantes e profissionais da moda com o objetivo de gerar inputs para transformar a indústria da moda. Proporcionando discussões de alto nível para problemas reais, esse programa tem como propósito preparar novos profissionais com conhecimento e networking, garantindo assim, a esperança de práticas sustentáveis na essência dos profissionais do futuro.

O Youth Fashion Summit é parte da agenda do congresso mais relevante em moda sustentável da atualidade: o Copenhagen Fashion Summit (CFS) que acontece anualmente na Dinamarca.

Durante o YFS de 2017, cinquenta estudantes selecionados receberam a tarefa de iniciar a elaboração da primeira resolução em moda da Organização das Nações Unidas (ONU), que deverá ser apresentada em evento oficial ao final deste ano, na cidade de Nova York. O documento baseou-se nas demandas apresentadas durante o CFS 2016, que exploravam a fundo a interferência da moda em cada um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU para 2030, indicadores que convocam países a mobilizar esforços para acabar com todas as formas de pobreza, combater desigualdades e atacar mudanças climáticas.

O Brasil também marcou presença no YFS através de 3 representantes: Larissa Roviezzo (colaboradora do FFW e atualmente cursando mestrado em Sustentabilidade na Moda em Berlim), Evelise Biviatello (Mestre em Empreendedorismo e cofundadora do Trocaria, e Alice Beyer Schuch (Mestre em Sustentabilidade na Moda e atual consultora e tutora em Circular Fashion na Europa e Brasil – nas empresas Cirkla Modo e ES-fashion).

CFS17-YFS-allGrupo do Youth Fashion Summit 2017. Fonte: Copenhagen Fashion Summit Image Bank

O YFS foi realizado nos dois dias precedentes ao CFS, e contou com apresentações inspiracionais, como a da embaixadora do evento, blogueira e influenciadora Susie Lau – que além de estar direcionando seu olhar único às questões sustentáveis na moda, vem buscando entender como a imprensa pode informar consumidores e ajudar a expandir essa transformação em ações. Simon Collins, fundador e CEO da Fashion Culture Design Series, apresentou ao grupo conceitos relevantes sobre apresentação, posicionamento e valores de produtos e marcas, incentivando designers a criar soluções atraentes, enfatizando a necessidade de se ter um propósito.

Foque em “criar valor, não lucro”

E ainda Dax Lovegrove, Vice-Presidente Global de Sustentabilidade Empresarial e Responsabilidade Social da Swarovski, trouxe diferentes perspectivas sobre o tema, mencionando que as mudanças rumo à sustentabilidade atendem a três diferentes áreas:

– Foot Print: que se refere a nossa relação e impacto ao meio ambiente.

– Political Print: a responsabilidade e iniciativas sociais

– Mind Print: que fala sobre a nossa mudança de mentalidade e comportamento.

CFS17-YFS-2Profissionais do futuro elaborando suas resoluções à ONU durante o Youth Fashion Summit. Fonte: Copenhagen Fashion Summit Image Bank

Os estudantes foram divididos em 7 grupos diferentes, cada um focado em grupos de ODSs, com o intuito de desenvolver ideias para formar a primeira resolução das Nações Unidas em moda sustentável. Cada grupo ainda teve a possibilidade de apresentar e receber feedback de suas ideias em uma conversa direta e franca com representantes de cada setor: instituições governamentais estavam representadas pela Agência do Meio Ambiente Europeia (EEA), Swarovski representando o setor de luxo, H&M como mainstream fashion, Li & Fung como fabricante, e ainda Greenpeace como representante da sociedade civil.

O resultado deste trabalho foi exibido no palco principal do Copenhagen Fashion Summit, no último dia 11, para mais de 800 líderes do setor de moda, ONGs, política, universidades e importantes stakeholders. Apresentado pela Professora Doutora Dilys Williams, Diretora do Centre for Sustainable Fashion no London College of Fashion, representantes de cada grupo expressaram uma breve versão dos pontos extremamente necessários a serem mudados, convocando a indústria e os membros envolvidos a se comprometerem com urgência (o vídeo pode ser assistido online de 1h 11m a 1h35min).

“Sustentabilidade na moda não é apenas a coisa “certa” a fazer, mas é onde o futuro da moda se encontra.” Susie Lau

 

#voiceofthenextgeneration #restartfashion #copenhagenfashionsummit #modasustentavel #modacircular #modaetica #modaresponsavel #modacomproposito

 

Escrito por:

Alice Beyer Schuch, Evelise Biviatello, Larissa Roviezzo

Sem categoria

Inauguração Lab Fashion

Na penúltima quinta-feira (23/02) o Lab Fashion abriu as portas para estudantes, profissionais de moda e consumidores conscientes para conhecer seu novo espaço que dobrou de tamanho, e agora conta com salas privativas, um estúdio fotográfico maior e um atelier compartilhado que também foi ampliado.

DSC_1695DSC_1680

Atualmente, o estúdio fotográfico está num espaço maior e pode ser utilizado para fazer fotos e vídeos, ideal para quem busca um local para fotografar editorial e deseja gravar vídeos para comerciais e aulas online. Já as salas privativas são quatro, as quais comportam até seis pessoas, podem ser alugadas num contrato mensal (para consultar preço, mande-nos um e-mail ou nos telefone), e o atelier compartilhado agora possui três mesas de corte e modelagem, além de máquinas industriais de costura (reta, overlock e galoneira), máquinas caseiras, manequins, araras e outros materiais de costura.

Além da inauguração do espaço, os coworkers do LAB organizaram um bazar com suas peças. Tivemos a participação das marcas Aline Vito, Bruna Bomfim e D-Aura. Com desenvolvimento ético, preocupação sustentável e design autoral, as marcas chamaram a atenção dos convidados que levaram algumas peças pra casa.
DSC_1733
Algumas peças do bazar foram feitas a partir de tecidos do Banco de Tecido, que ganhou um lugar maior, onde estamos também recebendo depósitos, às terças e quintas das 13h às 18h. Assim, o depósito gera crédito em kg para poder trocar por tecidos do Banco.

DSC_1718

Para aqueles que não puderam vir e querem conhecer o nosso espaço, venha nos fazer uma visita. Estamos abertos de segunda à sexta, das 9h às 18h. Você pode conferir também a nossa agenda de eventos e cursos do LAB aqui, e para obter mais informações e esclarecer dúvidas, telefone no número (11) 3467-1747 ou nos envie uma mensagem.

Sem categoria

Hayô: óculos feitos a partir de madeira de reuso

Design-sem-nome-322

A palavra que mais traz significado à história de Hayô é “segunda chance”, a partir disso, da ressignificação, o casal Jörg e Sandra decidiram usar madeiras de reuso das ruínas de uma fazenda cafeeira no interior de São Paulo, para darem um outro significado, as transformando em óculos. Foram várias espécies de quase 200 anos.

A ideia veio da necessidade do casal se resgatar, de se permitirem uma segunda chance, após 30 anos de parceria e cumplicidade. Assim, não só transformam as madeiras em belos óculos, mas também agregam histórias.

Continue Reading